Brasil registra 2.730 mortes por Covid em 24 h e bate marca de 15 mil mortes em uma semana pela primeira vez

País contabilizou 11.877.009 casos e 290.525 óbitos por Covid-19 desde o início da pandemia, segundo balanço do consórcio de veículos de imprensa. Médias móveis de mortes e diagnósticos voltam a bater recorde.

O Brasil registrou 2.730 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas e totalizou nesta sexta-feira (19) 290.525 óbitos. Com isso, a média móvel de mortes no país nos últimos 7 dias chegou a 2.178, mais um recorde no índice. Pela primeira vez, o país bateu a marca de 15 mil mortes em uma semanaEm comparação à média de 14 dias atrás, a variação foi de +50%, indicando tendência de alta nos óbitos pela doença.

É o que mostra novo levantamento do consórcio de veículos de imprensa sobre a situação da pandemia de coronavírus no Brasil a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde, consolidados às 20h desta sexta.

Já são 58 dias seguidos com a média móvel de mortes acima da marca de 1 mil, e pelo décimo segundo dia a marca aparece acima de 1,5 mil. Foram 21 recordes seguidos nesse índice, registrados de 27 de fevereiro até aqui.

Veja a sequência da última semana na média móvel:

Aumento da média móvel de óbitos na última semana. Já são três semanas seguidas com recordes diários no índice — Foto: Editoria de Arte/G1

Aumento da média móvel de óbitos na última semana. Já são três semanas seguidas com recordes diários no índice — Foto: Editoria de Arte/G1

  • Sábado (13): 1.824 (recorde)
  • Domingo (14): 1.832 (recorde)
  • Segunda (15): 1.855 (recorde)
  • Terça (16): 1.976 (recorde)
  • Quarta (17): 2.031 (recorde)
  • Quinta (18): 2.096 (recorde)
  • Sexta (19): 2.178 (recorde)

Em casos confirmados, desde o começo da pandemia 11.877.009 brasileiros já tiveram ou têm o novo coronavírus, com 89.409 desses confirmados no último dia. A média móvel nos últimos 7 dias foi de 72.670 novos diagnósticos por dia —também um recorde nessa média. Isso representa uma variação de +18% em relação aos casos registrados em duas semanas, o que indica tendência de alta também nos diagnósticos.

Vinte estados e o Distrito Federal estão com alta nas mortes: PR, RS, SC, ES, MG, SP, DF, GO, MS, MT, AP, PA, RO, TO, AL, CE, PB, PE, PI, RN e SE.

Brasil, 19 de março

  • Total de mortes: 290.525
  • Registro de mortes em 24 horas: 2.730
  • Média de novas mortes nos últimos 7 dias: 2.178 (variação em 14 dias: +50%)
  • Total de casos confirmados: 11.877.009
  • Registro de casos confirmados em 24 horas: 89.409
  • Média de novos casos nos últimos 7 dias: 72.670 por dia (variação em 14 dias: +18%)

Estados

  • Subindo (20 estados e o Distrito Federal): PR, RS, SC, ES, MG, SP, DF, GO, MS, MT, AP, PA, RO, TO, AL, CE, PB, PE, PI, RN e SE
  • Em estabilidade (4 estados): RJ, AC, BA e MA
  • Em queda (2 estados): AM e RR

Essa comparação leva em conta a média de mortes nos últimos 7 dias até a publicação deste balanço em relação à média registrada duas semanas atrás (entenda os critérios usados pelo G1 para analisar as tendências da pandemia).

Vale ressaltar que há estados em que o baixo número médio de óbitos pode levar a grandes variações percentuais. Os dados de médias móveis são, em geral, em números decimais e arredondados para facilitar a apresentação dos dados.

Vacinação

Balanço da vacinação contra Covid-19 desta sexta-feira (19) aponta que 11.492.854 pessoas já receberam a primeira dose de vacina contra a Covid-19, segundo dados divulgados até as 20h. O número representa 5,43% da população brasileira.

A segunda dose já foi aplicada em 4.122.203 pessoas (1,95% da população do país) em todos os estados e no Distrito Federal. No total, 15.615.057 doses foram aplicadas em todo o país.

Variação de mortes por estados

Estados com mortes em alta — Foto: Editoria de Arte/G1

Estados com mortes em alta — Foto: Editoria de Arte/G1

Estados com mortes em estabilidade — Foto: Editoria de Arte/G1

Estados com mortes em estabilidade — Foto: Editoria de Arte/G1

Estados com mortes em queda — Foto: Editoria de Arte/G1

Estados com mortes em queda — Foto: Editoria de Arte/G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *